Banco de gametas, embriões e tecidos

A criopreservação ou também conhecida por congelamento é a técnica que permite manter materiais biológicos, em temperatura extremamente baixa (-196⁰C), preservando-os vivos, com seu metabolismo suspenso, e podem ficar assim por vários anos.

IMG_0369    IMG_0373

Com a evolução das técnicas laboratoriais na área da Reprodução Humana, materiais biológicos como espermatozoides, óvulos, embriões e tecidos (testicular e ovariano) têm sido criopreservados rotineiramente para uso futuro.

IMG_0380    IMG_0381

Mas por que devemos criopreservar os gametas masculinos e femininos?

Os avanços na área médica têm levado a um diagnóstico mais precoce e tratamentos mais eficazes nos pacientes com câncer de uma maneira geral. Os principais tratamentos oncológicos (quimioterapia e radioterapia e cirurgias) podem causar danos aos gametas e tecidos masculinos e femininos, em diferentes graus de comprometimento de sua fertilidade. Os elevados índices de cura atualmente têm levado os médicos, que cuidam dos pacientes oncológicos, a se preocuparem, também, com a fertilidade futura deles. Como não se sabe qual paciente e o quanto e por quanto tempo sua fertilidade será realmente afetada em consequência dos tratamentos, a preservação da fertilidade é mandatória em pacientes jovens em idade reprodutiva.

A criopreservação de espermatozoides permite armazenar e garantir que essas células sejam utilizadas em tratamentos futuros de Reprodução Assistida, pois o avanço dessas técnicas tem possibilitado que um número muito pequeno de espermatozoides possa fertilizar os óvulos, aumentando as chances de gravidez mesmo nos casos de pacientes que apresentam baixa qualidade seminal. Os Bancos de Sêmen são eficazes e de baixo custo para a preservação da Fertilidade masculina.

As principais indicações para o congelamento de sêmen são:

1)  Pacientes com diagnóstico de câncer ou de qualquer outra doença cujo tratamento poderá afetar a Fertilidade Futura;
2)  Pacientes que serão submetidos às cirurgias que possam comprometer a produção de espermatozoides e/ou a ejaculação (cirurgias de próstata, bexiga, testículos, uretra, resseção linfonodos);
3)  Pacientes que serão submetidos às cirurgias para obtenção de espermatozoides dos epidídimos (MESA) ou testículos (TESE, microdissecção testicular) para uso em técnica de micromanipulação de gametas (ICSI);
4)  Indivíduos que trabalham em profissões de risco como os mergulhadores profissionais;
5)  Indivíduos que ficam expostos a agentes químicos ou metais pesados como os profissionais de indústrias químicas, aqueles que lidam com pesticidas e agrotóxicos, e aqueles que trabalham com radiações ionizantes;
6)  Indivíduos que serão submetidos à cirurgia de vasectomia

Nos casos de homens azoospérmicos, isto é, aqueles que não produzem espermatozoides, a única opção para o casal que deseja engravidar é utilizar uma amostra de sêmen de doador escolhido numa lista de um Banco de Sêmen Terapêutico. O casal pode escolhê-la baseando-se nas características físicas do doador, como cor da pele, dos olhos e cabelos, peso e altura, constituição física, etc, além do tipo sanguíneo.

IMG_0374    IMG_0377

A preservação da Fertilidade Feminina, pelo congelamento de óvulos, tem como principal indicação os casos de mulheres que serão submetidas a tratamentos com quimioterapia e/ou radioterapia ou cirurgia nos ovários, que podem causar menopausa precoce. Outra indicação, muito frequente nos dias de hoje, é para as mulheres que desejam adiar a maternidade, isto é, planejam engravidar após os 35 anos por motivos pessoais, de trabalho ou por não ter achado o parceiro ideal.

Quanto ao congelamento de óvulos, a melhor técnica é a vitrificação, com taxas de sobrevivência das células ao descongelamento de 95%. Apesar disso não há garantia que uma paciente tenha uma gravidez futura uma vez que as chances de sucesso da Fertilização in vitro são em torno dos 45%.

IMG_0360

A importância da preservação da fertilidade é fundamental no momento do diagnóstico de tumor, e os médicos envolvidos têm o dever de informar os pacientes, em idade reprodutiva, sobre as opções que existem para essa preservação antes do início de qualquer tratamento.