Exames Importantes

Voltar para a página: Infertilidade Feminina e suas Causas

Irregularidades menstruais, cólicas fortes durante a menstruação, dor nas relações sexuais, alterações no fluido vaginal  são condições que obrigam a mulher a uma consulta médica e, em algumas ocasiões, podem evidenciar uma doença que tenha relação com a fertilidade. Entretanto, mesmo que a mulher menstrue regularmente e não tenha nenhum sintoma, pode haver algum problema de fertilidade, que será diagnosticado por meio de exames subsidiários. Observe-se, mais uma vez, que a presença de causa masculina de infertilidade não exclui a presença de fatores femininos concomitantes, pelo que a pesquisa diagnóstica deve sempre incluir o casal.

Alguns exames de dosagem hormonal no sangue devem ser colhidos entre o segundo e o quinto dia do ciclo. A dosagem do FSH está relacionada ao potencial dos ovários em relação à qualidade e quantidade de folículos. Valores de FSH muito altos sinalizam  insuficiência ovariana. A prolactina, embora não tenha papel relevante na reprodução humana, pode estar elevada seja por ação de alguns medicamentos, seja por tumores da hipófise. Nos dois casos, há possibilidade de  interferência com a secreção de FSH, levando à anovulação. Dosagens de progesterona, na fase lútea média, evidenciam o funcionamento do corpo lúteo.

exames-importantesOs exames ultrassonográficos, feitos por via transvaginal, permitem estudar a morfologia de ovários e útero. Eles permitem diagnosticar, com muita precisão, o dia da ovulação: o folículo que está para ovular tem diâmetro médio  igual ou maior que 18 mm.

3.jpegPor meio do ultrassom também pode ser visto o endométrio, que cresce à medida que o folículo aumenta seu diâmetro, chegando a medir perto de 10 mm ou mais na ocasião da ovulação.

 

 

 

HisteroA histerossalpingografia permite a avaliação da cavidade uterina e das tubas. Nesse exame, é injetado um contraste no útero que atinge as tubas e, depois, se derrama dentro da cavidade abdominal. O trajeto do contraste é documentado por filme ou radiografias seriadas, de modo a evidenciar o contorno interno da cavidade uterina e das tubas. Diagnosticam-se assim alterações da cavidade uterina (pólipos, miomas, cicatrizes) que possam dificultar a obtenção de gravidez e, também, defeitos de esvaziamento tubários (em particular, obstruções). Esses últimos, em particular, são elementos decisivos na orientação do tratamento para a fertilização in vitro.