Infertilidade masculina

614426_90745444Fatores de infertilidade do genero masculino

1..Fatores hormonais:

  • FSH (hormônio folículo estimulante): valores altos de FSH significam que os testículos apresentam alterações que dificultam a produção de espermatozoides, podendo levar à sua ausência (azoospermia não obstrutuva). Já níveis de FSH extremamente baixos mostram que o problema está na fabricação desse hormônio, faltando estímulo adequado para que o testículo normal produza espermatozoides. Nesses casos, a reposição semanal de FSH por um longo período de tempo pode corrigir o problema.
  • LH (hormônio luteinizante): favorece a secreção de testosterona pelo testículo. Sua deficiência faz reduzir a produção de testosterona, originando perda da vontade sexual (libido), da potência e da fertilidade.
  •  Testosterona: hormônio masculino, responsável pelas características sexuais secundárias e formação dos genitais. Como possui propriedades anabolizantes, tem sido usada (ou seus análogos) para melhorar a performance muscular, o que tende a produzir infertilidade.
  • Prolactina: sem interferência direta na reprodução. Seu aumento induz alterações na liberação de FSH e LH, trazendo infertilidade.

Outros hormônios, diretamente ligados a outros processos corporais, também podem interferir na reprodução, como os da tireóide, por exemplo.

2…Fatores locais

A dificuldade de ereção e a falha na ejaculação impedem ou dificultam a relação sexual e a fertilidade. Pode ocorrer por problemas psicológicos, vasculares ou neurológicos. Problemas congênitos podem impedir a ejaculação do sêmen na vagina, como ocorre quando a uretra não se abre na extremidade do pênis (hipospádia).

3…Fatores genéticos

Síndromes genéticas várias podem impedir a fertilidade masculina, como a síndrome de Klinefelter (o paciente apresenta um cromossomo X a mais), microdeleção do cromossomo Y (faltam partes do cromossomo que ativam a produção de espermatozoides) e a síndrome de Kartagener (os espermatozoides não tem motilidade).

4..Fatores congênitos

Durante a formação embrionária, os testículos devem migrar para o escroto, posto que a produção dos espermatozoides deve ocorrer em temperatura mais baixa que a do corpo. A falha nessa migração (criptorquia) altera a fertilidade masculina.

5..Fatores vasculares

varicocele, dilatação das veias do escroto, responde por 30 a 40% dos casos de infertilidade masculina.

6.. Fatores externos

Calor excessivo, radiações (incluindo radioterapia), quimioterapia e drogas afetam a fertilidade em graus variáveis.

7..Fatores obstrutivo

As obstruções em qualquer parte dos dutos que conduzem o sêmen para a uretra e dai para a vagina, trazem infertilidade por ausência de espermatozoides no ejaculado (azoospermia obstrutiva).Essas obstruções podem ser genéticas (agenesia de deferentes e fibrose cística, por exemplo) ou adquiridas (por infecções ou intencionais, como na vasectomia).

 

Diagnóstico da infertilidade masculina

A história clínica do paciente fornece indícios diagnósticos. Quanto maior a idade paterna, maiores são as chances de ocorrerem alterações na produção e na qualidade dos espermatozoides, levando a falta dificuldades para obter a gravidez. Hábitos pouco saudáveis afetam negativamente a produção de espermatozoides, tais como: tabagismo, o uso de drogas recreativas (maconha, cocaína), o uso de anabolizantes (testosterona), exercícios físicos em excesso, obesidade, exposição a produtos tóxicos e à poluição, estresse e má nutrição. Evidentemente, havendo alterações maiores na saúde, devem ser diagnosticadas e tratadas antes dos processos de reprodução.

Ao lado da história clínica, o exame físico geral pode mostrar alteração nas casracterísticas demasculinização, apontando para deficiências hormonais várias, que podem levar até a azoospermia não obstrutiva.. O exame  da bolsa testicular podem evidenciar assimetria testicular, presença de varicocele, ausência dos canais deferentes (levando a azoospermia obstrutiva) , entre outras alterações.

O espermograma, é o principal exame subsidiário para diagnóstico da infertilidade masculina. A colheita é feita por masturbação, após abstinência sexual de 3 a 5 dias. Em geral, as alterações maiores do sêmen podem ser resolvidas com a fertilização in vitro.

Outros exames são realizados apenas quando necessário: exames genéticos (cariótipo, microdeleção do cromossomo Y) e exames funcionais do espermatozoides (teste de integridade do acrossomo, teste de fragmentação do DNA, teste de atividade dos mitocôndrios).