Reversão de Laqueadura

Voltar para a página: Microcirurgia em Reprodução Humana

Reversao de LaqueaduraA laqueadura tubária consiste na obstrução cirúrgica das tubas uterinas no sentido de impedir o encontro natural do óvulo com o espermatozoide e evitar a gravidez. Dessa forma, a laqueadura faz parte dos métodos contraceptivos que um casal dispõe para seu planejamento familiar. É bem indicada para mulheres que não querem ou não podem utilizar hormônios para esse fim.

Entretanto, o desejo de ter mais filho(s), na mesma ou em nova união, leva algumas mulheres com laqueadura tubária a procurarem especialistas para que as auxiliem nesse novo projeto. Assim, uma mulher com laqueadura tubária pode voltar a ser mãe por meio de 2 caminhos: reversão da laqueadura ou fertilização in vitro.

A reversão de laqueadura consiste na reconstrução microcirúrgica das tubas uterinas realizada com o auxílio de um microscópio cirúrgico e instrumentos especiais, incluindo fios cirúrgicos de difícil visibilização a olho nu. O procedimento é realizado por um especialista em microcirurgia com habilidade e treinamento necessários para a delicadeza e o sucesso da cirurgia.

O tempo da laqueadura não é fator limitante para a sua reversão, diferentemente do que ocorre com a vasectomia, situação em que um longo período de vasectomia pode reduzir as chances de sucesso de gravidez natural. As taxas de gravidez, após a reversão de laqueadura em casais com ótimo potencial reprodutivo, podem alcançar índices de 80% de sucesso. No caso da reversão da laqueadura, os principais fatores determinantes para o sucesso do tratamento são a idade e o potencial fértil da mulher (mulheres acima de 37 anos, naturalmente apresentam redução progressiva do seu potencial fértil) e, também a técnica utilizada na época da laqueadura tubária, pois a depender do local da obstrução e do comprimento de tuba uterina que foi excluída, ela pode se tornar inviável ou com pouca probabilidade de sucesso.

A decisão de se reverter deve ocorrer após uma completa avaliação do casal. Assim, a mulher fará exames hormonais, ultrassonográficos e a histerossalpingografia, enquanto o homem terá seu potencial avaliado por exames hormonais e espermograma.

Apenas o médico especialista em Reprodução Humana, após análise de cada caso, em particular, poderá oferecer a melhor proposta terapêutica.