Reversão de Vasectomia

Voltar para a página: Microcirurgia em Reprodução Humana

Reversao de VasectomiaQuando um casal não quer mais ter filhos, a vasectomia é uma excelente opção. É um método contraceptivo eficaz, duradouro e de execução relativamente simples – pode ser feita em regime ambulatorial, sob anestesia local, com duração aproximada de 30 minutos, com taxas mínimas de complicações. Consiste na obstrução dos vasos deferentes, impedindo que o homem ejacule os espermatozoides. Nos últimos anos, a procura por esse procedimento sofreu um incremento graças à regulamentação pelos planos de saúde.

Entretanto, seja por separação seguida de outra união, seja por necessidade ou vontade de ter mais filhos na mesma relação, cerca de 6% dos homens procuram um médico Especialista em Reprodução Humana para resolver seu problema.

Casais cuja impossibilidade de engravidar é decorrente da vasectomia têm 2 opções de tratamento: reversão da vasectomia ou fertilização in vitro com obtenção cirúrgica dos espermatozoides diretamente do epidídimo.

Realizada com sucesso, pela primeira vez, nos Estados Unidos em 1919, foi apenas em 1977, com a introdução da técnica da microcirurgia, que a reversão da vasectomia trouxe resultados realmente animadores. A técnica, empregada atualmente, exige conhecimento e treinamento em microcirurgia por parte do médico cirurgião, utilizando fios cirúrgicos muito finos, de difícil visibilização a olho nu. Durante a cirurgia, é possível avaliar o aspecto do líquido proveniente dos testículos e a presença de espermatozoides: se favorável, a chance do paciente voltar a ejacular espermatozoides após a reversão passa de 90%.

Não existe um tempo de vasectomia limite que contraindique uma reversão. Porém, é verdade que quanto maior o tempo de obstrução, menores são os índices de gravidez. Nos casos de reversão com até 10 anos de vasectomia, as taxas de gravidez chegam a mais de 70%; em indivíduos com mais de 10 anos de vasectomia, a taxa de gravidez é próxima de 44%. Atualmente, tem-se realizado esse procedimento com sucesso em pacientes com mais de 20 anos de vasectomia, com boa recuperação do potencial masculino para gravidez natural.

Entretanto, mais importante do que o tempo de vasectomia nas chances de obtenção da gravidez, é a idade e o potencial fértil da companheira. Em mulheres de até 30 anos de idade, a reversão produz cerca de 64% de gravidez; de 30 a 35 anos, 49%; a partir de 36 anos, a taxa é de 30 a 40%. Assim, é de fundamental importância a avaliação da reserva ovariana (com hormônios e ultrassonografia transvaginal) e do potencial e funcionamento tubário (através da histerossalpingografia) antes da decisão de reverter ou não a vasectomia.

Casais com dificuldades semelhantes podem ter tratamentos diferentes. Assim sendo, apenas uma avaliação pormenorizada do casal, peculiar a cada um, permite a decisão mais acertada acerca do procedimento que dará a maior chance de gravidez. Apenas o médico Especialista em Reprodução Humana, após análise de cada caso, em particular, poderá oferecer a melhor proposta terapêutica.