Tratamento de baixa complexidade

Todas as técnicas que colaboram para aumentar a chance de fertilização do óvulo dentro das tubas (fertilização in vivo), compõe os chamados procedimentos de baixa complexidade.

1  Aumentando a chance na Reprodução Natural

1403062_37268119Procedimentos que podem aumentar a chance de gravidez na reprodução natural são:

a) ter relações em dias alternados, no período fértil da mulher, que pode ser reconhecido de várias maneiras.

b) aumentar as chances de ovulação. No ciclo menstrual natural, apenas um folículo ovariano se rompe e libera um único óvulo. Ocorre que, em algumas ocasiões, o folículo pode não conter óvulo ou o óvulo pode ser de qualidade incompatível com a fertilização. O uso de medicações que permitam desenvolvimento de mais de um folículo, permite aumentar a chance de  surgir um óvulo adequado para a fertilização (estimulação controlada dos ovários).  Neste caso, o que se procura é o crescimento de dois ou três folículos. Porisso, são utilizadas medicações mais leves que as usadas na fertilização in vitro, em geral de uso oral, como o  citrato de clomifeno (ClomidR, InduxR). A chance de vir a ter gêmeos com esse procedimento varia de 5 a 12% (ASRM,2012).

c) após a ovulação, utilizar progesterona para aumentar a chance de implantação do embrião no útero.

d) não utilizar lubrificantes tóxicos ao espermatozóide.

A ejaculação deve ocorrer dentro da vagina: não há uma posição, durante o ato sexual, que permita maior chance de gravidez. Evidentemente, hábitos de vida saudáveis auxiliam a obtenção da gravidez. Suplementos alimentares (vitaminas e energéticos) não aumentam a chance de gravidez. Medicamentos ou procedimentos de origem e efeito discutíveis, anunciados (especialmente em mídias eletrônicas) como “um sucesso na obtenção de gravidez” ou “certeza de seu sonho realizado“, devem ser evitados.

2  Inseminação intrauterina

iiuteroCausas mais simples de infertilidade conjugal podem ser resolvidas por meio da inseminação intrauterina, que consiste basicamente em introduzir espermatozoides no útero, durante o período ovulatório da mulher.

Pode ser utilizada nos casais em que:

  • 1..a mulher tem dificuldades com a ovulação, como nos casos de síndrome dos ovários policísticos;
  • 2..o homem apresenta alterações leves no espermograma, que não comprometem mas dificultam a obtenção da gravidez;
  • 3..a mulher apresenta alterações do colo do útero (parte do útero que se liga à vagina), que possam impedir a penetração dos espermatozóides para as tubas (ausência do muco cervical, por exemplo);
  • 4..o homem apresenta malformação peniana, que impede a ejaculação dentro da vagina (por exemplo, quando a uretra não se abre na ponta do pênis, condição conhecida como hipospádia)
  • 5..”tudo está normal”: se os exames iniciais não evidenciam alteração capaz de  dificultar a reprodução; neste caso, fala-se em infertilidade sem causa aparente.
  • 6..os componentes são homoafetivos do gênero feminino. Se pelo menos uma das parceiras satisfizer o critério para a inseminação intrauterina, então o procedimento poderá ser realizado com auxílio de sêmen de banco.

P ara que se possa fazer a inseminação intrauterina com chance de sucesso, é preciso que:
1..o espermograma indique a possibilidade de que sejam colocados no útero pelo menos cinco milhões de espermatozóides móveis, com morfologia estrita maior que 4%.
2.. pelo menos uma das tubas  seja íntegra.

O processo consta de três etapas:

1..estimulação controlada dos ovários para crescimento dos folículos: semelhante ao que se faz na fertilização in vitro. Para inseminação intrauterina, são utilizadas quantidades menores de medicação e, frequentemente, associam-se remédios orais a injetáveis. O objetivo é um  número de folículos do que os necessários para fertilização in vitro, para evitar ao máximo a poliembrionia..

2..indução da ovulação: a administração de gonadotrofina coriônica humana (hCG) é feita quando pelo menos um dos folículos atingir 17 mm de diâmetro médio, com objetivo de tornar previsível o momento da ovulação, 36 h após a aplicação.

3..o sêmen é colhido por masturbação é preparado, escolhendo-se os mais adequados para o processo. Se for o caso de casais homoafetivos do gênero feminino, será utilizado sêmen de banco. De toda a forma, os espermatozoides são injetados no útero, por meio de um cateter introduzido no útero pela vagina,  num momento ao redor das 36h após a aplicação do hCG. Espera-se que penetrem na tuba e fertilizem os óvulos.

A partir de um dia após a inseminação, inicia-se a aplicação de progesterona, preparando o útero para a implantação do embrião.   A chance de sucesso no procedimento varia de 20 a 40% por ciclo, e a probabilidade de gravidez gemelar varia conforme o número de folículos desenvolvidos, variando ao redor de 10% .