Tratamento para casal HIV
Soro discordante

207150_1381Ainda que somente um dos cônjuges seja portador do vírus HIV, é possível a adoção de estratégias no intuito de se obter uma gestação saudável minimizando-se os riscos de transmissão para o cônjuge e, também, para o(s) filho(s) genético(s). O envolvimento de uma equipe multidisciplinar composta de psicólogos, infectologistas, obstetras, urologistas, médicos especialistas em Reprodução Humana, enfermagem, é de fundamental importância para o alcance do objetivo.

Quando somente a mulher é soropositiva, é importante que ela esteja em sua melhor forma clínica possível, com a doença controlada e liberada pelo infectologista para engravidar. Como o marido não é portador do vírus, se ele apresentar boa quantidade e qualidade de espermatozoides e a esposa tiver bom potencial de fertilidade com, pelo menos, 1 tuba uterina normal, a técnica de inseminação intrauterina oferece segurança e boas chances de sucesso.

Entretanto, quando somente o homem é soropositivo, é também recomendado que ele esteja em sua melhor forma clínica possível, clinicamente bem, liberado pelo infectologista para engravidar a parceira. Nesse caso, a técnica que oferece o menor risco de transmissão para a parceira – e, portanto, para a(s) criança(s) – é a de ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoide) após dupla lavagem de sêmen. Não há, na literatura até hoje, descrição de contaminação por meio dessa técnica.

Com o resultado positivo de gravidez, o acompanhamento estreito durante o pré-natal até o período pós-parto é de suma importância para o sucesso do tratamento.

O Laboratório de sêmen do Serviço de Reprodução Humana do Hospital São Paulo está capacitado para oferecer aos casais um tratamento seguro em toda sua plenitude.

990755_10016367Outras doenças infecto-contagiosas como Hepatite B, Hepatite C, HTLV I e II, também merecem atenção especial de uma equipe multidisciplinar.